• O Quebra Nozes

    O espetáculo da Cisne Negro Cia de Dança que encanta e contagia o Natal de São Paulo. Com a chegada

    Dança
  • Visitando o Sr. Green

    Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro? Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo

    Artes Cênicas
  • Escola de Trovadores

    Formação musical para crianças e adolescentes realizada pelo Instituto Trovadores Urbanos. Na Escola de Trovadores, crianças e adolescentes recebem aulas

    Música

Projetos

O Quebra Nozes

O espetáculo da Cisne Negro Cia de Dança que encanta e contagia o Natal de São Paulo.

Com a chegada do fim do ano, chega junto a expectativa de mais uma temporada do Quebra Nozes! Famoso no mundo todo, o espetáculo tem sua versão brasileira apresentada em São Paulo, desde 1983, pela Cisne Negro Cia de Dança.

A história conta a fantástica noite de Natal de Clara, uma menina que ganha muitos presentes, mas se encanta de uma maneira especial por um deles, um boneco quebra-nozes.

Quando todos vão dormir, Clara vai à sala para brincar com seu novo presente, adormece e entra no mundo da fantasia. Os brinquedos ganham vida, dançam, lutam, viajam para O Reino das Neves e Reino dos Doces, onde Clara e seu príncipe são homenageados com danças típicas de vários países.

O espetáculo surgiu a partir das músicas que Tchaikovsky compôs para o ballet quando se encantou com a envolvente história do conto “Quebra-Nozes e o Rei dos Camundongos” de Hoffman. O espetáculo da Cisne Negro tem a Direção Artística de Hulda Bittencourt e Direção de Ensaios de Dany Bittencourt.

No palco da Cisne Negro a composição está completa: figurino, cenário e iluminação. Cada edição do espetáculo conta com a presença de importantes solistas convidados com grande reconhecimento internacional.

Em 2017, foram convidados Aurora Dickie e Dmitry Semionov, solistas do Staatsballet Berlin.


Visitando o Sr. Green

Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro?

Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo de 86 anos, Ross Gardiner (Ricardo Gelli), um jovem executivo de 29 anos, é considerado culpado por negligência e tem de fazer visitas semanais para a vítima durante seis meses.

Durante as visitas, há um estranhamento entre os dois, Sr. Green é um velho ranzinza, judeu ortodoxo. Ross testa a tolerância de Sr. Green ao tentar se aproximar.

A peça se passa em Nova York, no velho apartamento de Sr. Green, onde tudo parece intocado desde os anos 50. Junto com a antiga mobília, há listas telefônicas em desuso, jornais espalhados, pilhas de correspondências e um buquê de flores secas.

Segredos vão sendo revelados: Ross diz ser homossexual. Sr. Green, que dizia não ter filhos, admite ter expulsado a filha de casa por ter se casado com um homem que não era judeu.

Visitando o Sr. Green faz o público refletir sobre as intolerâncias do seu próprio cotidiano.

Cassio Scapin interpretou Ross, contracenando com Paulo Autran, na primeira montagem no Brasil, em 2000. Quinze anos depois, Scapin foi convidado a dirigir a nova montagem.

O Laboratório Cristália foi um dos patrocinadores da temporada paulista.


Escola de Trovadores

Formação musical para crianças e adolescentes
realizada pelo Instituto Trovadores Urbanos.

Na Escola de Trovadores, crianças e adolescentes recebem aulas semanais de canto e expressão corporal. A metodologia é a mesma utilizada na  formação dos Trovadores Mirins, projeto existente desde 1995 no qual os participantes recebem formação musical diferenciada preparando-os para se apresentarem em shows e eventos públicos. A fim de permitir que estudantes de escolas públicas possam receber a mesma formação musical, porém de forma gratuita, o Instituto Trovadores Urbanos criou o projeto Escola de Trovadores.

A Escola de Trovadores possui 03 polos de musicalização. Em 2013 foi implantado o núcleo de Cidade Ademar (Zona Sul de São Paulo) na Escola Estadual Profa. Joanna Abrahão; em 2015 foi implantado o núcleo na Escola Municipal de Ensino Fundamental Antônio Pinto De Campos, na cidade de Cajamar, e em 2016 foi implantado o núcleo na EMEB Veneranda de Freitas Pinto também em Cajamar, ambos os polos com o patrocínio da Votorantim Cimentos e do Instituto Votorantim.

Em cada núcleo, aproximadamente 80 crianças e adolescentes participam de aulas semanais de Canto, de Ritmo, de Expressão Corporal e de construção de instrumentos musicais com material reciclado. As aulas acontecem no contraturno escolar. O projeto também contempla atividades para os pais e oficinas para professores, coordenadores e equipe das escolas.

A cada final de ano, os alunos da Escola de Trovadores apresentam-se publicamente para a comunidade, tendo como convidados especiais os Trovadores Urbanos.

Assista o vídeo de apresentação da Escola de Trovadores, Núcleo Cajamar:


Concerto a Dois Pianos

Celebração da parceria entre João Carlos Martins e Arthur Moreira Lima.

Dois dos maiores pianistas brasileiros, João Carlos Martins e Arthur Moreira Lima, tiveram suas carreiras internacionalmente reconhecidas. Foram consagrados executando principalmente repertório de seus compositores prediletos: João Carlos as obras de Bach, e Arthur as obras de Chopin.  Foi no Teatro do MASP que, ainda jovens, se apresentaram juntos pela primeira vez. Nas décadas de 70 e 80, os encontros dos pianos foram frequentes, tocaram juntos diversas vezes, firmando assim uma parceria de sucesso. Em 1982, gravaram juntos o LP “Encontro Bach – Chopin”, um dos mais vendidos no segmento de música clássica.

João Carlos, por problemas físicos, teve de se afastar do piano. Décadas depois, com o retorno ao piano, João Carlos convida o amigo Arthur para, ambos com 75 anos, se reencontrarem no mesmo palco onde a parceria começou. Esse reencontro deu origem ao Concerto a Dois Pianos, onde as obras foram tocadas ora por um e por outro, e outras vezes tocadas a quatro mãos.

O Concerto a Dois Pianos teve a arrecadação da bilheteria destinada ao Instituto Horas da Vida, organização sem fins lucrativos que possibilita o acesso à saúde a pessoas carentes. Profissionais e empresas do setor da saúde atendem gratuitamente, oferecendo atendimento de qualidade e humanizado.

O patrocínio do Concerto a Dois Pianos foi realizado pela Sandoz, por meio da Lei Rouanet.


Emcena Brasil

Um caminhão que leva cultura para as cidades do interior.

Caminhões vêm e vão a todo instante, levando diversos tipos de carga. O caminhão do Emcena Brasil é diferente: carrega diversos espetáculos e deixa, nos locais por onde passa, a lembrança de dias repletos de alegria e cultura!

O caminhão transporta um container adaptado para palco, com toda a infraestrutura de luz, som, tela de cinema e outros equipamentos necessários para realizar espetáculos para grandes plateias.

400 cadeiras são posicionadas de frente para o palco.  E por último, uma grande tenda é montada afim de proporcionar conforto aos artistas e também à plateia.

A programação contempla atividades durante o dia e à noite.  Tudo com entrada gratuita: contação de histórias, oficinas, gibiteca, teatro infantil e adulto, circo, além de apresentações de artistas locais.

O projeto Emcena Brasil já visitou mais de 250 cidades de todo o Brasil.

Em 2015, com o patrocínio da Votorantim Cimentos, o Emcena Brasil visitou Araçariguama, Itapeva, Ribeirão Grande, Salto de Pirapora e Taubaté.

Em 2017, com o patrocínio da Ecolab, o Emcena Brasil marcou presença em Campinas, Barueri e Suzano.


Festival de Clipes e Bandas

O maior evento para novos talentos do videoclipe e da música no Brasil.

Arnaldo Antunes, um dos artistas convidados da 2ª edição.

 

O Festival de Clipes e Bandas é o maior evento para novos talentos do videoclipe e da música do Brasil e conta com a participação especial de artistas convidados no júri e nos shows finais.

Clipes: cada artista convidado escolhe uma música para que os participantes do Festival façam um videoclipe.  Já participaram de edições anteriores: Gilberto Gil, Arnaldo Antunes, Fernanda Takai, Tom Zé, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Karina Buhr, Céu, Inocentes, Blubell e Projota.

Bandas: concurso de novos talentos da música. Os artistas convidados escolhem as melhores bandas para abrir seus shows no encerramento do Festival. A melhor banda ganha a gravação de um videoclipe.

Fernanda Takai, artista convidada da 3ª edição.

 

O Festival acontece na internet, nas redes sociais e ao vivo.

Os videoclipes e as bandas são avaliados pelo júri, pelos artistas convidados e pelo público.

Vencedores de 2015 para “Melhor Videoclipe para Fernanda Takai”, “Prêmio do Público” e “Prêmio do Patrocinador”.

 

Na 4ª edição os artistas convidados foram Baby do Brasil, Jards Macalé, Mart’nália, BNegão & Seletores de Frequência e Dexter.

O encerramento do Festival, com shows e cerimônia de premiação, aconteceu em Março no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Trident e Halls foram patrocinadores da 4ª edição do Festival de Clipes e Bandas.

No site: clipesebandas.com.br, é possível acessar o acervo de todas as edições do Festival.


Rei Lear

 

Juca de Oliveira interpreta Rei Lear de William Shakespeare.

A tragédia de um Rei que envelheceu antes de se tornar sábio.

Nesta versão criada por Geraldo Carneiro especialmente para Juca de Oliveira, o ator interpreta Lear, suas três filhas e várias personagens da tragédia. É a primeira vez na história do teatro universal que Rei Lear  é encenado como espetáculo solo.

Escrita em 1606 e considerada a mais trágica das tragédias shakespearianas, Rei Lear é o desafio máximo de qualquer ator. A peça narra a trajetória de Lear, Rei da Bretanha, que aos 80 e tantos anos decide dividir o reino entre as três filhas, em troca de elogios. Ao fazer a partilha, acaba sensibilizado com os discursos aduladores das ambiciosas Goneril e Regan e renega Cordélia, que diz não encontrar palavras para expressar seu amor pelo pai. Goneril e Regan traem e expulsam o velho pai, tramando sua morte. O tempo mostra que Cordélia era a única merecedora do trono. A cobiça e a ingratidão filial, temas centrais desta obra-prima, a tornam dolorosamente atual.

Rei Lear tem direção de Elias Andreato, figurino e cenário de Fabio Namatame, iluminação de Wagner Freire e trilha sonora de Daniel Maia.


Sinfonia Seresteira

Sinfonia Seresteira apresenta o encontro do erudito com o popular para contar a história da Música Popular Brasileira.

Sinfonia Seresteira resgata a história da música brasileira – a chegada da música erudita, trazida pelos portugueses, e sua popularização por meio das modinhas que ganharam a rua ao som de violões e vozes de seresteiros.

Nas apresentações, a música erudita é executada pelo Quinteto Bachiana e a música popular brasileira é apresentada na voz dos Trovadores Urbanos, carinhosamente apelidados de “Seresteiros do Brasil”.

Como forma de reproduzir com maior fidelidade o cenário musical brasileiro daquela época e também de envolver os espectadores na apresentação, foi planejado um final inédito: o Quinteto Bachiana e os Trovadores Urbanos saem tocando pelas ruas da cidade acompanhados dos espectadores, como era feito nas antigas serestas. Durante o trajeto, convidam os moradores a se juntarem ao cortejo musical.

O Quinteto inicia apresentando trechos curtos de algumas das composições eruditas mais conhecidas do público (Bach, Beethoven, Mozart, Strauss, etc);

Em seguida é a vez da Música Popular Brasileira na voz dos Trovadores Urbanos (Carinhoso, Minha namorada, Se todos fossem iguais a você, Trem das Onze, etc).

Ao final, Trovadores Urbanos e Quinteto Bachiana descem do palco e vão ao encontro dos espectadores convidando-os a seguirem em uma Sinfonia Seresteira, na qual artistas e plateia cantam formando um grande coro.

Uma apresentação que resgata as tradicionais serestas de antigamente e encanta o público com sua performance, recriando o cenário musical brasileiro do século XIX.

Em 2013 foram realizadas 12 apresentações de Sinfonia Seresteira pelo estado de São Paulo com o patrocínio do Grupo EDP.

Veja também um vídeo realizado pelo Instituto EDP sobre o projeto Sinfonia Seresteira


Mônica 50 anos

A exposição “Mônica 50 anos” comemora o aniversário da personagem Mônica e conta sua trajetória desde sua criação, em 1963, até os dias de hoje.

Em formato de retrospectiva, a exposição convida o público a entrar de forma lúdica na história desta personagem que ganhou o Brasil e o Mundo. É possível acompanhar o processo de criação e também a evolução da Mônica década a década.

A composição da mostra se dá por meio de objetos históricos, publicações editoriais, desenhos animados, homenagens artísticas (quadros e esculturas), filmes, games e instalações.

Mônica 50 anos  realizada no MuBE – Museu Brasileiro da Escultura, tem curadoria de Jacqueline Mouradian e realização da Maurício de Sousa Produções. Um evento gratuito e livre para todas as idades.

Uma exposição que encanta a todos aqueles foram ou que ainda são crianças, patrocinada pela Bauducco.


A Música Venceu

Primeiro polo de ensino de música erudita da Fundação Bachiana Filarmônica funciona na E.E. Friedrich Von Voith, no bairro do Jaraguá em São Paulo.

Idealizado pelo maestro João Carlos Martins, o projeto A Música Venceu oferece aulas de iniciação e formação musical para crianças e jovens em bairros carentes de São Paulo.

O projeto estimula nessa população, habitualmente carente de eventos culturais, o despertar da musicalidade própria.

A participação do jovem neste projeto proporciona o contato com um mundo totalmente novo.

O núcleo do projeto no bairro do Jaraguá teve início no ano de 2007. O crescimento ano a ano do projeto e deste núcleo culminou na formação da Orquestra de Câmara da escola.

A Orquestra de Câmara tem se apresentado em vários espaços no bairro, como outras escolas públicas da vizinhança. Este relacionamento com a região se tornou efetivo a ponto do grupo se tornar referência para a comunidade local.

Nessas fotos alunos do projeto A Música Venceu são regidos pelo Maestro João Carlos Martins durante a abertura de concerto da Orquestra Filarmônica Bachiana SESI-SP, na Sala São Paulo.

O núcleo do Jaraguá do projeto A Música Venceu é patrocinado pelas empresas do Grupo Voith.