Projetos

Mônica 50 anos

A exposição “Mônica 50 anos” comemora o aniversário da personagem Mônica e conta sua trajetória desde sua criação, em 1963, até os dias de hoje.

Em formato de retrospectiva, a exposição convida o público a entrar de forma lúdica na história desta personagem que ganhou o Brasil e o Mundo. É possível acompanhar o processo de criação e também a evolução da Mônica década a década.

A composição da mostra se dá por meio de objetos históricos, publicações editoriais, desenhos animados, homenagens artísticas (quadros e esculturas), filmes, games e instalações.

Mônica 50 anos  realizada no MuBE – Museu Brasileiro da Escultura, tem curadoria de Jacqueline Mouradian e realização da Maurício de Sousa Produções. Um evento gratuito e livre para todas as idades.

Uma exposição que encanta a todos aqueles foram ou que ainda são crianças, patrocinada pela Bauducco.


A Música Venceu

Primeiro polo de ensino de música erudita da Fundação Bachiana Filarmônica funciona na E.E. Friedrich Von Voith, no bairro do Jaraguá em São Paulo.

Idealizado pelo maestro João Carlos Martins, o projeto A Música Venceu oferece aulas de iniciação e formação musical para crianças e jovens em bairros carentes de São Paulo.

O projeto estimula nessa população, habitualmente carente de eventos culturais, o despertar da musicalidade própria.

A participação do jovem neste projeto proporciona o contato com um mundo totalmente novo.

O núcleo do projeto no bairro do Jaraguá teve início no ano de 2007. O crescimento ano a ano do projeto e deste núcleo culminou na formação da Orquestra de Câmara da escola.

A Orquestra de Câmara tem se apresentado em vários espaços no bairro, como outras escolas públicas da vizinhança. Este relacionamento com a região se tornou efetivo a ponto do grupo se tornar referência para a comunidade local.

Nessas fotos alunos do projeto A Música Venceu são regidos pelo Maestro João Carlos Martins durante a abertura de concerto da Orquestra Filarmônica Bachiana SESI-SP, na Sala São Paulo.

O núcleo do Jaraguá do projeto A Música Venceu é patrocinado pelas empresas do Grupo Voith.


Guia Catraca Livre

Guia Catraca Livre: a cidade na sua mão.

Em sua segunda edição, o Guia Catraca Livre mostra opções culturais permanentes por toda cidade de São Paulo. Com um amplo mapeamento da programação cultural gratuita ou a preços populares, esta edição equilibra informações sobre equipamentos culturais consagrados, como o MASP, e outras atrações importantes que precisam ser conhecidas por toda a cidade, como o Sarau da Cooperifa.

O Guia tem como objetivo promover a cidadania cultural através da divulgação de atrações culturais independentemente de sua localidade. Com dicas de audiovisual, artes visuais, leitura, música, teatro e dança, passeios e cursos e oficinas, de baixo custo ou a custo zero; o Guia vem para quebrar o estigma de que somente uma região favorecida da cidade possui atrações culturais relevantes.

A vocação do Catraca Livre de mapear e disseminar informações sobre eventos culturais, potencializando o uso dos equipamentos culturais existentes foi colocada em prática neste Guia. Assim, traz informações que fazem da cidade de São Paulo sempre uma cidade nova, uma cidade a se conhecer através da circulação e apropriação dos espaços culturais e de lazer de todas as regiões.

Uma iniciativa da AT Cultural em parceria com o site Catraca Livre, coordenado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, a segunda edição do Guia Catraca Livre foi patrocinada pela Ambev.


Toca Atitude

O projeto Toca Atitude leva música erudita para periferia da cidade de São Paulo.

Desde 2006 o Toca Atitude realiza apresentações da Orquestra Filarmônica Bachiana SESI-SP, que contam com a regência do maestro João Carlos Martins, pela periferia paulistana. O repertório é escolhido especialmente para essas apresentações que possuem caráter educativo. Os concertos são didáticos na medida em que são executados os primeiros movimentos da obra escolhida e em seguida o maestro comenta a música, seu compositor e o contexto histórico da época. Tudo tendo em vista a sensibilização dos alunos para a arte erudita. Assim, a democratização cultural é proporcionada tanto pela abordagem das apresentações quanto pela escolha dos locais.

Toca Atitude: levando apresentações de música clássica para jovens de atitude, possibilitando novas experiências culturais.

Continuando o trabalho de democratização cultural com jovens carentes da periferia paulistana, a Fundação Bachiana Filarmônica desenvolve o projeto Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo.

Este projeto promove o desenvolvimento de atividades de excelência e referência na formação musical, onde a inclusão social se dá por meio da difusão e do ensino da música clássica e erudita. Além de complementar e estimular os estudos regulares nas escolas, a participação do jovem neste projeto proporciona o contato com um mundo totalmente novo, bem como a possibilidade de um futuro no mundo da música.

A Camerata Bachiana é formada por jovens integrantes do projeto Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo, realizado na comunidade de Paraisópolis. Os jovens recebem instruções personalizadas para seu nível de desenvolvimento e preparação necessária para estarem aptos a realizar apresentações regulares, inclusive ao lado do maestro João Carlos Martins.

Essas ações culturais, Toca Atitude, Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo, núcleo da comunidade de Paraisópolis, e Camerata Bachiana, formada por alunos deste núcleo, são patrocinadas pelo Instituto Votorantim.


Casa de Todos

Trovadores Mirins apresentam repertório que nos lembra a importância de cuidar de nosso planeta: a Casa de Todos.

Afim de manter a tradição das serenatas e incentivar o gosto das crianças e adolescentes pela Música Popular Brasileira, em 1995 os Trovadores Urbanos deram início ao grupo vocal “Trovadores Mirins”.

Crianças entre quatro e quatorze anos recebem formação musical e se apresentam  em variadas situações e lugares: eventos públicos, homenagens, datas comemorativas, entre outros.

O espetáculo Casa de Todos leva 10 espetáculos dos Trovadores Mirins a parques da cidade de São Paulo, sob regência de Lucila Novaes.

O repertório traz, numa linguagem fácil e lúdica, canções que abordam o tema Sustentabilidade, sob a ótica infantil. Reforçando com a naturalidade da voz e do olhar das crianças a importância de cuidarmos do nosso planeta, a “casa de todos”.

A palavra ecologia tem origem no grego, ela é formada pelas palavras “oikos”, que significa casa, e “logos”, que significa estudo. Logo, por extensão, a palavra ecologia significa o estudo da casa: da casa de todos, do nosso planeta.

Durante a apresentação uma grande bola representando o Planeta Terra entra em cena.

Um figurino especial foi produzido para este espetáculo. Todos os Trovadores Mirins usam roupas e adereços feitos de materiais recicláveis como garrafas pet, tampinhas de garrafa, cordões de algodão orgânico, sacos de batata coloridos e jornal.

Ao final de cada apresentação, as  crianças da plateia recebem papel e giz de cera para colorir o planeta.

O projeto Casa de Todos foi patrocinado pela Mondelez.


Show João Bosco

João Bosco realiza show gratuito para 600 pessoas no ABC.

No mês de abril, o cantor e compositor mineiro João Bosco se apresentou gratuitamente no Teatro Engenheiro Salvador Arena, localizado em São Bernardo do Campo.

 

Neste show o público pode contemplar novos e antigos sucessos deste cantor que já possui mais de 40 anos de carreira.

Um show eclético, com misturas que vão do Jazz à Bossa Nova. Entre os sucessos, estiveram presentes canções como: Papel Machê, Linha de Passe e Desenho de Giz.

João Bosco fez parceria com grandes nomes da música nacional: Vinícius de Morais, Elis Regina e o poeta Aldir Blanc, com quem escreveu centenas de músicas dentre elas grandes sucessos como O bêbado e a equilibrista, Bala com bala, De frente pro crime, Fantasia, Bodas de prata, O ronco da cuíca, Corsário, dentre muitas outras.

Um show que encantou a platéia durante mais de uma hora e meia de pura emoção. Patrocinado pela Termomecânica/Fundação Salvador Arena.


O Libertino

Dirigido por Jô Soares, Cassio Scapin vive o filósofo Diderot.

Escrito por Eric-Emmanuel Schmitt, um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea, O Libertino é uma comédia inspirada no filósofo francês do século XVIII Diderot. Na trama, Diderot se retira para descanso num castelo na área rural de Paris, onde, de urgência, é solicitado para escrever o verbete “Moral” para sua obra “Enciclopédia”. Para compor essa comédia que oferece de maneira não acadêmica, divertida e envolvente introdução ao pensamento filosófico, a direção de Jô Soares se vale da comicidade dos valores morais de nossa sociedade.

Essa comédia preenche uma lacuna onde humor e informação, diversão e cultura se encontram em uma obra que não se destina a um entretenimento simplista, mas cumpre a função de educar e fazer pensar com a naturalidade de um humor inteligente.

Retomando uma nobre função da comédia, o espetáculo faz pensar e discutir a condição do homem frente questões morais e éticas da sociedade onde ele se encontra inserido.

O espetáculo O Libertino recebeu apoio da Fundação Salvador Arena.


Cantando por um Mundo Melhor

Com repertório que remete a memória musical afetiva, os Trovadores Urbanos se apresentaram por todo interior paulista afinando emoções.

O projeto Cantando por um Mundo Melhor, do grupo Trovadores Urbanos, realiza apresentações musicais e oficinas de musicalização para crianças pelo interior do estado de São Paulo. As crianças participantes da oficina fazem uma participação especial em cada apresentação.

Com um espetáculo delicado, comovente e brasileiro, o projeto Cantando por um Mundo Melhor levou clássicos da música popular brasileira a 14 cidades do interior paulista. Ao final do projeto, os Trovadores Urbanos se apresentaram no Auditório Ibirapuera com a participação especial dos Trovadores Mirins, grupo vocal infantil desenvolvido pelos Trovadores Urbanos.

O projeto Cantando por um Mundo Melhor foi patrocinado pela Duratex e apoiado pelas empresas Clariant e Mangels.


Cartas a um jovem poeta

Adaptação inédita traz aos palcos obra do poeta

Rainer Maria Rilke.

O espetáculo Cartas a um Jovem Poeta é a primeira adaptação brasileira  de uma das obras literárias mais importantes do século XX. Escrita pelo poeta tcheco Rainer Maria Rilke, a obra é formada por um conjunto de cartas escritas por Rilke ao jovem Franz Xaver Kappus, indeciso entre seguir a carreira militar ou literária.

Um clássico, o livro é um dos mais lidos e traduzidos em todo o mundo pela atualidade do texto e dos conselhos que o poeta dá ao jovem aspirante ao mundo das letras.

Espetáculo solo do ator Ivo Müller, a peça retrata aspectos biográficos do poeta, além de abordar temas complexos como criação artística, formação humana e a importância do autoconhecimento. O projeto possui uma série de ações entre oficinas, debates e incentivo à leitura, que buscam divulgar Rilke e sua literatura.

Este projeto realizou, também, uma série de oficinas para professores de escolas públicas em Suzano, grande São Paulo, com intuito de levar cultura para além do próprio espetáculo a um público carente de atividades culturais completas.

O espetáculo Cartas a um Jovem Poeta foi patrocinado pela Clariant.


HB Coreto

Orquestra HB viajou pelo interior paulista apresentando repertório especial para apresentações em coretos.

A orquestra Heratbreakers, liderada pelo músico Guga Stroeter, apresentou versões inéditas para clássicos como Carinhoso, Maracangalha e Tocar na Banda em coretos de praças do interior paulista.

Proporcionando uma retomada do universo das orquestras de coreto e aguçando a audição dos ouvintes para uma música instrumental elaborada, este projeto buscou a formação de público para música instrumental, além da revitalização das praças e o resgate da cultura popular.

A retomada desse universo traz não só a valorização do músico instrumentista como a oportunidade de ouvir e interpretar clássicos que foram fundamentais para a formação da música popular brasileira

A história dos coretos nas cidades brasileiras data de fins do século XIX e início do século XX, numa época em que a maneira da comunidade expressar sua musicalidade democraticamente era tocar em praça pública.

HB Coreto, um projeto simples, mas de grande alcance cultural e pedagógico patrocinado pela Rede Energia.