Projetos

Julietas

A Cia. de Inventos discute os desafios da adolescência nesta releitura de Romeu e Julieta.

O espetáculo reflete sobre o comportamento do adolescente no mundo de hoje: sua instabilidade, as mudanças no corpo, na alma e suas dúvidas. Tudo de forma leve, poética e com linguagem acessível.

Enfatizando a importância do amor, sentimento fundamental a qualquer ser humano, e propondo ao jovem reflexões sobre responsabilidade e respeito por si e pelo próximo, Julietas leva de forma adequada temas como experiências, descobertas e escolhas próprias dessa fase da vida.

Antes do espetáculo os espectadores recebiam uma breve contextualização sobre a releitura do clássico Romeu e Julieta, direcionada para o jovem  do mundo contemporâneo, seu autor e como a peça permanece atual.

Se valendo de elementos comuns ao universo jovem – como o Graffiti e o Rap – para aproximar os adolescentes das questões ali debatidas, o espetáculo foi muito bem recebido pela platéia em todas as apresentações gratuitas por CEU’s da cidade de São Paulo, na cidade de Campinas e Votorantim.

O espetáculo Julietas foi patrocinado pelo Instituto Votorantim.


Energias do Mundo

Uma experiência sociocultural que estimula a expressão cultural e artística no ambiente escolar

O concurso cultural Energias do Mundo é uma experiência sóciocultural e pedagógica que tem por objetivo incorporar o tema “energias” ao currículo escolar e ao cotidiano de crianças, criando oportunidades de aprendizado e conscientização ambiental por meio da expressão artística e da participação cidadã de alunos de escolas públicas. O Concurso proporciona uma oportunidade única para professores e alunos expressarem seus pontos de vista sobre questões ambientais presentes em sua própria comunidade.

A premiação da escola vencedora fica por conta da oficina de arte pública realizada pela equipe da ONG Cidade Escola Aprendiz em conjunto com a comunidade da escola premiada. Durante a oficina os alunos produziram intervenções artísticas, transformando o espaço escolar a partir da temática proposta. O evento de premiação conta ainda com oficinas artísticas, plantio de mudas de espécies nativas, lanche coletivo e homenagem aos educadores e alunos autores do trabalho vencedor.

Experiência cultural única, o projeto Energias do Mundo aconteceu nos estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará e Tocantins.

O concurso cultural Energias do Mundo foi patrocinado pela Rede Energia.


Cia. La Mínima nos Parques

A população da cidade de São Paulo pôde assistir a

Cia. La Mínima em parques da cidade.

Em comemoração ao Dia Mundial da Saúde, a Cia. La Mínima levou seus espetáculos “Reprise” e “Luna Parke” para parques da cidade de São Paulo, em apresentações gratuitas. Seis diferentes lugares serviram como palco para os atores da companhia.

A arte do palhaço de picadeiro e toda tradição circense são a base de trabalho dos atores Domingos Montagner e Fernando Sampaio, que formaram a Cia. La Mínima em 1997. Com diversos trabalhos,  a premiada companhia possui como marca registrada a qualidade estética e a democratização cultural, por levar espetáculos gratuitos à população.

As apresentações da Cia. La Mínima em parques da cidade de São Paulo foram patrocinadas pela Pfizer.


O Estrangeiro

Guilherme Leme vive Mersault em aclamada montagem de

O Estrangeiro.

Escrito por Albert Camus, O Estrangeiro, um dos mais famosos romances do século XX, ganha os palcos pela primeira vez em uma adaptação do dinamarquês Morten Kirkskov, dirigida por Vera Holtz.

Numa interpretação solo, Guilherme Leme interpreta Meursault o personagem central de O Estrangeiro. Levando uma vida banal e sem sentido, Meursault é mais um homem arrastado pela correnteza da vida e da História. Seu drama pode ser lido como o drama de qualquer pessoa de nossos dias, que se depara com o absurdo cotidiano da existência: ponto central da obra.

Na trama, Meursault não encontra explicação ou consolo para o que acontece em sua trajetória, tudo acontece a sua revelia e nada faz o menor sentido. Não tem onde se amparar, portanto.

O que pode ser visto como desesperador em Camus se torna uma virtude: esse homem é livre, pode se fazer a si mesmo, sua vida está em aberto.

O espetáculo O Estrangeiro recebeu apoio da Fundação Salvador Arena e  foi patrocinado pela Mangels.


Sambazz

O cantor Jair Oliveira comemorou 30 anos de carreira com o projeto Sambazz.

Circulando por algumas das principais universidades do estado de São Paulo, o projeto cultural Sambazz: Workshop Show, levou gratuitamente shows e bate papos sobre o mercado fonográfico a estudantes.

Baseado no álbum homônimo, composto por livro e CD, Jair Oliveira levou toda sua bagagem musical, acumulada ao longo de 30 anos de carreira, em apresentações musicais seguidas de bate papo sobre o atual mercado fonográfico a estudantes e público em geral.

O projeto Sambazz: Workshop Show foi patrocinado pela Diageo.


Princesa, Eu?

Espetáculo percorre o universo adolescente com olhar feminino.

A peça Princesa, Eu? conta a trajetória de vida de Liz, desde a puberdade até o início de sua vida adulta. Traz ao palco, de forma poética, o momento delicado da adolescência. Possibilita a identificação pessoal e estimula a reflexão sobre essa fase especial da vida.

Liz era assim, pequenita, doce e meiga. Uma criança querida por todos. Filha única e amada de Clô e Theobaldo, Liz era assim, suave, apesar dos atropelos dos adultos. Feminina. Sua vida era tranquila, cheia de fantasias, sonhos e brincadeiras, mas ninguém a avisara que esta fase mágica a transformaria.

A dramaturgia deste espetáculo possui linhas e planos para estabelecer uma comunicação eficaz com adolescentes, público do espetáculo. Contou a história ora evidenciando o universo interno da personagem através de elementos poéticos, ora sua vida cotidiana em cenas com características mais realistas.

Apesar de retratar a adolescência com um olhar feminino, a peça aborda também os dramas vividos pelos meninos adolescentes.

Patrocinado pela MSD e realizado pela Cia. de Inventos, o projeto Princesa, Eu? entende que o teatro para jovens é um facilitador de aprendizado. Um aprendizado de sentido amplo, no qual o teatro inspira o desenvolvimento humano em todas as suas potencialidades.


Oficinas Tela Brasil

Envolvendo a comunidade com arte e conhecimento, as Oficinas Tela Brasil fomentam o cinema nacional ao difundir cultura.

As Oficinas Tela Brasil têm como objetivo educar jovens para criação e expressão através da linguagem audiovisual. Permitem que os alunos tenham uma introdução às áreas técnicas da produção de vídeo, travem contato com reconhecidos profissionais de cinema e, também, desenvolvam um curta-metragem com equipamento profissional oferecido pelo projeto.

Cada oficina conta com uma palestra de um roteirista ou diretor de renome e oferece ainda bolsa, para custear as despesas de transporte e pesquisa, durante o curso. Os vídeos realizados são exibidos na sala do Cine Tela Brasil no último final de semana do curso e a comunidade local é convidada para a pré-estréia onde é entregue um certificado de participação na oficina.

O projeto Oficinas Tela Brasil, realizado em dois módulos  no bairro do Jaraguá, na cidade de São Paulo, foi patrocinado pela Fundação Voith.

Vídeo produzido pelos alunos André, Camila, Caroline, Graciela, Júnior e Vítor; participantes das Oficinas Tela Brasil no bairro do Jaraguá.


Produto Instrumental Bruto | PIB

O PIB, Produto Instrumental Bruto, é um festival que promove a atual música instrumental brasileira.

Em 2010 ocorreu a terceira edição do PIB, festival de música instrumental que possui o conceito de lapidação musical e desconstrução de estilos, buscando sempre experimentações sonoras. Em quatro dias de shows, 16 bandas de diversos estilos musicais e regiões do país se apresentaram sob a projeção de imagens de um VJ para cada dia.

Além das apresentações musicais, o projeto contou com seis oficinas musicais, um debate sobre a música instrumental brasileira, uma feira cultural e uma exposição com os melhores momentos do PIB.

Diversidade e experimentação em diversas linguagens, esta é a marca deste festival patrocinado pela Diageo.


Muradas

O projeto Muradas foi responsável pela revitalização do

“Beco da Vila Madalena”.

Realizado sob a forma de Intervenções Culturais, o projeto Muradas contou com a participação de artistas das cinco regiões da cidade de São Paulo. Cada dia de intervenção se tornou um acontecimento no bairro pois, além da pintura dos muros, ocorreram apresentações com grupos musicais e cênicos.

O projeto contou com a realização da ONG Cidade Escola Aprendiz, que ajudou a trazer artistas de regiões afastadas da Vila Madalena, bem como contribuiu para o envolvimento da comunidade.

O projeto Muradas foi patrocinado pela Sherwin Williams.


Itinerância Cia. La Mínima

A Cia. La Mínima levou os espetáculos “Reprise” e “Luna Parke” a cinco cidades do interior paulista.

As duas montagens são verdadeiros “clássicos” da companhia que, ao longo de 13 anos de trajetória, une qualidade estética e democratização cultural.

Este projeto permitiu à população de Adamantina, Assis, Bragança Paulista, Catanduva e Presidente Prudente o acesso gratuito a espetáculos qualificados, contribuindo para formação de público para teatro no interior paulista.

As apresentações gratuitas ocorreram aos sábados e domingos, em locais abertos com intuito de beneficiar o maior público possível.

Com patrocínio da Rede Energia, a Cia. La Mínima pôde levar sua arte ao interior.