Projetos

Se fosse fácil, não teria graça

Você vai se emocionar, mas vai gargalhar muito também.

Com 21 anos, recém-formado em Economia na USP e História na PUC, Nando Bolognesi decide passar 1 ano viajando pelo mundo. Durante essa viagem, descobre ser portador de esclerose múltipla. De volta ao Brasil, se encanta pela Escola de Artes Dramáticas (USP), e decide ser ator. Mais tarde, especializa-se na linguagem do palhaço.

Usando as limitações a seu favor, cria o “Comendador”, um palhaço que usa bengala… Palhaço usando bengala?! Mas Charles Chaplin também usava!

Em 2013, Nando decidiu contar sua trajetória nos palcos teatrais, produziu e estreou o espetáculo “Se fosse fácil, não teria graça”, uma tragicomédia que ele considera ser a primeira “sit down tragedy” brasileira. Desde então, já foi assistido por mais de 20 mil espectadores.

Nando nos conta com bom humor, por meio da arte e da comédia, como lida e se relaciona com a doença que o impôs diversos limites.

O ator mescla um relato engraçado, humano e comovente sobre como podemos transformar dificuldades, limites e crises em alegrias, desafios e realizações. O espetáculo nos faz rir e chorar ao mesmo tempo, e nos convida a uma série de reflexões sobre nosso modo de estar no mundo.

A temporada 2019 de “Se fosse fácil, não teria graça” teve patrocínio da Novartis, por meio da Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).


%d blogueiros gostam disto: