• capa-blog-festival
    Festival de Clipes e Bandas

    O maior evento para novos talentos do videoclipe e da música no Brasil.   O Festival de Clipes e Bandas

    Música
  • destaque
    Visitando o Sr. Green

    Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro? Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo

    Artes Cênicas
  • Cidade Ademar
    Escola de Trovadores

    Formação musical para crianças e adolescentes realizada pelo Instituto Trovadores Urbanos. Na Escola de Trovadores, crianças e adolescentes recebem aulas

    Música

Projetos

Visitando o Sr. Green

Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro?

Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo de 86 anos, Ross Gardiner (Ricardo Gelli), um jovem executivo de 29 anos, é considerado culpado por negligência e tem de fazer visitas semanais para a vítima durante seis meses.

Durante as visitas, há um estranhamento entre os dois, Sr. Green é um velho ranzinza, judeu ortodoxo. Ross testa a tolerância de Sr. Green ao tentar se aproximar.

A peça se passa em Nova York, no velho apartamento de Sr. Green, onde tudo parece intocado desde os anos 50. Junto com a antiga mobília, há listas telefônicas em desuso, jornais espalhados, pilhas de correspondências e um buquê de flores secas.

Segredos vão sendo revelados: Ross diz ser homossexual. Sr. Green, que dizia não ter filhos, admite ter expulsado a filha de casa por ter se casado com um homem que não era judeu.

Visitando o Sr. Green faz o público refletir sobre as intolerâncias do seu próprio cotidiano.

Cassio Scapin interpretou Ross, contracenando com Paulo Autran, na primeira montagem no Brasil, em 2000. Quinze anos depois, Scapin foi convidado a dirigir a nova montagem.

O Laboratório Cristália foi um dos patrocinadores da temporada paulista.


Oficinas Tela Brasil

Envolvendo a comunidade com arte e conhecimento, as Oficinas Tela Brasil fomentam o cinema nacional ao difundir cultura.

As Oficinas Tela Brasil têm como objetivo educar jovens para criação e expressão através da linguagem audiovisual. Permitem que os alunos tenham uma introdução às áreas técnicas da produção de vídeo, travem contato com reconhecidos profissionais de cinema e, também, desenvolvam um curta-metragem com equipamento profissional oferecido pelo projeto.

Cada oficina conta com uma palestra de um roteirista ou diretor de renome e oferece ainda bolsa, para custear as despesas de transporte e pesquisa, durante o curso. Os vídeos realizados são exibidos na sala do Cine Tela Brasil no último final de semana do curso e a comunidade local é convidada para a pré-estréia onde é entregue um certificado de participação na oficina.

O projeto Oficinas Tela Brasil, realizado em dois módulos  no bairro do Jaraguá, na cidade de São Paulo, foi patrocinado pela Fundação Voith.

Vídeo produzido pelos alunos André, Camila, Caroline, Graciela, Júnior e Vítor; participantes das Oficinas Tela Brasil no bairro do Jaraguá.


Produto Instrumental Bruto | PIB

O PIB, Produto Instrumental Bruto, é um festival que promove a atual música instrumental brasileira.

Em 2010 ocorreu a terceira edição do PIB, festival de música instrumental que possui o conceito de lapidação musical e desconstrução de estilos, buscando sempre experimentações sonoras. Em quatro dias de shows, 16 bandas de diversos estilos musicais e regiões do país se apresentaram sob a projeção de imagens de um VJ para cada dia.

Além das apresentações musicais, o projeto contou com seis oficinas musicais, um debate sobre a música instrumental brasileira, uma feira cultural e uma exposição com os melhores momentos do PIB.

Diversidade e experimentação em diversas linguagens, esta é a marca deste festival patrocinado pela Diageo.


Muradas

O projeto Muradas foi responsável pela revitalização do

“Beco da Vila Madalena”.

Realizado sob a forma de Intervenções Culturais, o projeto Muradas contou com a participação de artistas das cinco regiões da cidade de São Paulo. Cada dia de intervenção se tornou um acontecimento no bairro pois, além da pintura dos muros, ocorreram apresentações com grupos musicais e cênicos.

O projeto contou com a realização da ONG Cidade Escola Aprendiz, que ajudou a trazer artistas de regiões afastadas da Vila Madalena, bem como contribuiu para o envolvimento da comunidade.

O projeto Muradas foi patrocinado pela Sherwin Williams.


Minuto Escola

Minuto Escola incentiva a produção de vídeos de até 1 Minuto por alunos da rede pública.

Minuto Escola é um concurso cultural feito especialmente para alunos do ensino médio de escolas públicas de todo estado de São Paulo. Através da produção de vídeos de até 1 Minuto, com tema livre, estudantes participaram deste concurso que privilegia a participação jovem através da linguagem audiovisual.

Complementando o concurso, que faz parte do Festival do Minuto, este projeto realizou workshops com coordenadores de artes em escolas públicas para instrumentalizá-los sobre o formato do vídeo-minuto. Cada uma das escolas recebeu um DVD educativo com vídeos do acervo do Festival, depoimentos dos realizadores, comentários do curador Marcelo Masagão e dicas sobre programas gratuitos de edição de imagem e som, que podem ser usados pelos alunos na produção de seus trabalhos.

Patrocinado pelo Instituto Votorantim, este projeto contou com o Minuto Móvel: caminhão equipado com som e vídeo que visitou diversas escolas por todo estado de São Paulo.

A ideia do projeto Minuto Escola é estimular o uso pedagógico do audiovisual nas escolas.