• capa-blog-festival
    Festival de Clipes e Bandas

    O maior evento para novos talentos do videoclipe e da música no Brasil.   O Festival de Clipes e Bandas

    Música
  • destaque
    Visitando o Sr. Green

    Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro? Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo

    Artes Cênicas
  • Cidade Ademar
    Escola de Trovadores

    Formação musical para crianças e adolescentes realizada pelo Instituto Trovadores Urbanos. Na Escola de Trovadores, crianças e adolescentes recebem aulas

    Música

Projetos

Festival de Clipes e Bandas

O maior evento para novos talentos do videoclipe e da música no Brasil.

Arnaldo Antunes, um dos artistas convidados da 2ª edição.

 

O Festival de Clipes e Bandas é o maior evento para novos talentos do videoclipe e da música do Brasil e conta com a participação especial de artistas convidados no júri e nos shows finais.

Clipes: cada artista convidado escolhe uma música para que os participantes do Festival façam um videoclipe.  Já participaram de edições anteriores: Gilberto Gil, Arnaldo Antunes, Fernanda Takai, Tom Zé, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz, Karina Buhr, Céu, Inocentes, Blubell e Projota.

Bandas: concurso de novos talentos da música. Os artistas convidados escolhem as melhores bandas para abrir seus shows no encerramento do Festival. A melhor banda ganha a gravação de um videoclipe.

Fernanda Takai, artista convidada da 3ª edição.

 

O Festival acontece na internet, nas redes sociais e ao vivo.

Os videoclipes e as bandas são avaliados pelo júri, pelos artistas convidados e pelo público.

Vencedores de 2015 para “Melhor Videoclipe para Fernanda Takai”, “Prêmio do Público” e “Prêmio do Patrocinador”.

 

Na 4ª edição os artistas convidados foram Baby do Brasil, Jards Macalé, Mart’nália, BNegão & Seletores de Frequência e Dexter.

O encerramento do Festival, com shows e cerimônia de premiação, aconteceu em Março no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Trident e Halls foram patrocinadores da 4ª edição do Festival de Clipes e Bandas.

No site: clipesebandas.com.br, é possível acessar o acervo de todas as edições do Festival.


Visitando o Sr. Green

Religião, tabus, conflito de gerações: Até que ponto toleramos o outro?

Após quase atropelar Sr. Green (Sergio Mamberti), um viúvo de 86 anos, Ross Gardiner (Ricardo Gelli), um jovem executivo de 29 anos, é considerado culpado por negligência e tem de fazer visitas semanais para a vítima durante seis meses.

Durante as visitas, há um estranhamento entre os dois, Sr. Green é um velho ranzinza, judeu ortodoxo. Ross testa a tolerância de Sr. Green ao tentar se aproximar.

A peça se passa em Nova York, no velho apartamento de Sr. Green, onde tudo parece intocado desde os anos 50. Junto com a antiga mobília, há listas telefônicas em desuso, jornais espalhados, pilhas de correspondências e um buquê de flores secas.

Segredos vão sendo revelados: Ross diz ser homossexual. Sr. Green, que dizia não ter filhos, admite ter expulsado a filha de casa por ter se casado com um homem que não era judeu.

Visitando o Sr. Green faz o público refletir sobre as intolerâncias do seu próprio cotidiano.

Cassio Scapin interpretou Ross, contracenando com Paulo Autran, na primeira montagem no Brasil, em 2000. Quinze anos depois, Scapin foi convidado a dirigir a nova montagem.

O Laboratório Cristália foi um dos patrocinadores da temporada paulista.


Rei Lear

 

Juca de Oliveira interpreta Rei Lear de William Shakespeare.

A tragédia de um Rei que envelheceu antes de se tornar sábio.

Nesta versão criada por Geraldo Carneiro especialmente para Juca de Oliveira, o ator interpreta Lear, suas três filhas e várias personagens da tragédia. É a primeira vez na história do teatro universal que Rei Lear  é encenado como espetáculo solo.

Escrita em 1606 e considerada a mais trágica das tragédias shakespearianas, Rei Lear é o desafio máximo de qualquer ator. A peça narra a trajetória de Lear, Rei da Bretanha, que aos 80 e tantos anos decide dividir o reino entre as três filhas, em troca de elogios. Ao fazer a partilha, acaba sensibilizado com os discursos aduladores das ambiciosas Goneril e Regan e renega Cordélia, que diz não encontrar palavras para expressar seu amor pelo pai. Goneril e Regan traem e expulsam o velho pai, tramando sua morte. O tempo mostra que Cordélia era a única merecedora do trono. A cobiça e a ingratidão filial, temas centrais desta obra-prima, a tornam dolorosamente atual.

Rei Lear tem direção de Elias Andreato, figurino e cenário de Fabio Namatame, iluminação de Wagner Freire e trilha sonora de Daniel Maia.


Guia Catraca Livre

Guia Catraca Livre: a cidade na sua mão.

Em sua segunda edição, o Guia Catraca Livre mostra opções culturais permanentes por toda cidade de São Paulo. Com um amplo mapeamento da programação cultural gratuita ou a preços populares, esta edição equilibra informações sobre equipamentos culturais consagrados, como o MASP, e outras atrações importantes que precisam ser conhecidas por toda a cidade, como o Sarau da Cooperifa.

O Guia tem como objetivo promover a cidadania cultural através da divulgação de atrações culturais independentemente de sua localidade. Com dicas de audiovisual, artes visuais, leitura, música, teatro e dança, passeios e cursos e oficinas, de baixo custo ou a custo zero; o Guia vem para quebrar o estigma de que somente uma região favorecida da cidade possui atrações culturais relevantes.

A vocação do Catraca Livre de mapear e disseminar informações sobre eventos culturais, potencializando o uso dos equipamentos culturais existentes foi colocada em prática neste Guia. Assim, traz informações que fazem da cidade de São Paulo sempre uma cidade nova, uma cidade a se conhecer através da circulação e apropriação dos espaços culturais e de lazer de todas as regiões.

Uma iniciativa da AT Cultural em parceria com o site Catraca Livre, coordenado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, a segunda edição do Guia Catraca Livre foi patrocinada pela Ambev.


Toca Atitude

O projeto Toca Atitude leva música erudita para periferia da cidade de São Paulo.

Desde 2006 o Toca Atitude realiza apresentações da Orquestra Filarmônica Bachiana SESI-SP, que contam com a regência do maestro João Carlos Martins, pela periferia paulistana. O repertório é escolhido especialmente para essas apresentações que possuem caráter educativo. Os concertos são didáticos na medida em que são executados os primeiros movimentos da obra escolhida e em seguida o maestro comenta a música, seu compositor e o contexto histórico da época. Tudo tendo em vista a sensibilização dos alunos para a arte erudita. Assim, a democratização cultural é proporcionada tanto pela abordagem das apresentações quanto pela escolha dos locais.

Toca Atitude: levando apresentações de música clássica para jovens de atitude, possibilitando novas experiências culturais.

Continuando o trabalho de democratização cultural com jovens carentes da periferia paulistana, a Fundação Bachiana Filarmônica desenvolve o projeto Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo.

Este projeto promove o desenvolvimento de atividades de excelência e referência na formação musical, onde a inclusão social se dá por meio da difusão e do ensino da música clássica e erudita. Além de complementar e estimular os estudos regulares nas escolas, a participação do jovem neste projeto proporciona o contato com um mundo totalmente novo, bem como a possibilidade de um futuro no mundo da música.

A Camerata Bachiana é formada por jovens integrantes do projeto Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo, realizado na comunidade de Paraisópolis. Os jovens recebem instruções personalizadas para seu nível de desenvolvimento e preparação necessária para estarem aptos a realizar apresentações regulares, inclusive ao lado do maestro João Carlos Martins.

Essas ações culturais, Toca Atitude, Musicalização em Bairros da Periferia de São Paulo, núcleo da comunidade de Paraisópolis, e Camerata Bachiana, formada por alunos deste núcleo, são patrocinadas pelo Instituto Votorantim.


Show João Bosco

João Bosco realiza show gratuito para 600 pessoas no ABC.

No mês de abril, o cantor e compositor mineiro João Bosco se apresentou gratuitamente no Teatro Engenheiro Salvador Arena, localizado em São Bernardo do Campo.

 

Neste show o público pode contemplar novos e antigos sucessos deste cantor que já possui mais de 40 anos de carreira.

Um show eclético, com misturas que vão do Jazz à Bossa Nova. Entre os sucessos, estiveram presentes canções como: Papel Machê, Linha de Passe e Desenho de Giz.

João Bosco fez parceria com grandes nomes da música nacional: Vinícius de Morais, Elis Regina e o poeta Aldir Blanc, com quem escreveu centenas de músicas dentre elas grandes sucessos como O bêbado e a equilibrista, Bala com bala, De frente pro crime, Fantasia, Bodas de prata, O ronco da cuíca, Corsário, dentre muitas outras.

Um show que encantou a platéia durante mais de uma hora e meia de pura emoção. Patrocinado pela Termomecânica/Fundação Salvador Arena.


O Libertino

Dirigido por Jô Soares, Cassio Scapin vive o filósofo Diderot.

Escrito por Eric-Emmanuel Schmitt, um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea, O Libertino é uma comédia inspirada no filósofo francês do século XVIII Diderot. Na trama, Diderot se retira para descanso num castelo na área rural de Paris, onde, de urgência, é solicitado para escrever o verbete “Moral” para sua obra “Enciclopédia”. Para compor essa comédia que oferece de maneira não acadêmica, divertida e envolvente introdução ao pensamento filosófico, a direção de Jô Soares se vale da comicidade dos valores morais de nossa sociedade.

Essa comédia preenche uma lacuna onde humor e informação, diversão e cultura se encontram em uma obra que não se destina a um entretenimento simplista, mas cumpre a função de educar e fazer pensar com a naturalidade de um humor inteligente.

Retomando uma nobre função da comédia, o espetáculo faz pensar e discutir a condição do homem frente questões morais e éticas da sociedade onde ele se encontra inserido.

O espetáculo O Libertino recebeu apoio da Fundação Salvador Arena.


Cantando por um Mundo Melhor

Com repertório que remete a memória musical afetiva, os Trovadores Urbanos se apresentaram por todo interior paulista afinando emoções.

O projeto Cantando por um Mundo Melhor, do grupo Trovadores Urbanos, realiza apresentações musicais e oficinas de musicalização para crianças pelo interior do estado de São Paulo. As crianças participantes da oficina fazem uma participação especial em cada apresentação.

Com um espetáculo delicado, comovente e brasileiro, o projeto Cantando por um Mundo Melhor levou clássicos da música popular brasileira a 14 cidades do interior paulista. Ao final do projeto, os Trovadores Urbanos se apresentaram no Auditório Ibirapuera com a participação especial dos Trovadores Mirins, grupo vocal infantil desenvolvido pelos Trovadores Urbanos.

O projeto Cantando por um Mundo Melhor foi patrocinado pela Duratex e apoiado pelas empresas Clariant e Mangels.


Cartas a um jovem poeta

Adaptação inédita traz aos palcos obra do poeta

Rainer Maria Rilke.

O espetáculo Cartas a um Jovem Poeta é a primeira adaptação brasileira  de uma das obras literárias mais importantes do século XX. Escrita pelo poeta tcheco Rainer Maria Rilke, a obra é formada por um conjunto de cartas escritas por Rilke ao jovem Franz Xaver Kappus, indeciso entre seguir a carreira militar ou literária.

Um clássico, o livro é um dos mais lidos e traduzidos em todo o mundo pela atualidade do texto e dos conselhos que o poeta dá ao jovem aspirante ao mundo das letras.

Espetáculo solo do ator Ivo Müller, a peça retrata aspectos biográficos do poeta, além de abordar temas complexos como criação artística, formação humana e a importância do autoconhecimento. O projeto possui uma série de ações entre oficinas, debates e incentivo à leitura, que buscam divulgar Rilke e sua literatura.

Este projeto realizou, também, uma série de oficinas para professores de escolas públicas em Suzano, grande São Paulo, com intuito de levar cultura para além do próprio espetáculo a um público carente de atividades culturais completas.

O espetáculo Cartas a um Jovem Poeta foi patrocinado pela Clariant.


HB Coreto

Orquestra HB viajou pelo interior paulista apresentando repertório especial para apresentações em coretos.

A orquestra Heratbreakers, liderada pelo músico Guga Stroeter, apresentou versões inéditas para clássicos como Carinhoso, Maracangalha e Tocar na Banda em coretos de praças do interior paulista.

Proporcionando uma retomada do universo das orquestras de coreto e aguçando a audição dos ouvintes para uma música instrumental elaborada, este projeto buscou a formação de público para música instrumental, além da revitalização das praças e o resgate da cultura popular.

A retomada desse universo traz não só a valorização do músico instrumentista como a oportunidade de ouvir e interpretar clássicos que foram fundamentais para a formação da música popular brasileira

A história dos coretos nas cidades brasileiras data de fins do século XIX e início do século XX, numa época em que a maneira da comunidade expressar sua musicalidade democraticamente era tocar em praça pública.

HB Coreto, um projeto simples, mas de grande alcance cultural e pedagógico patrocinado pela Rede Energia.